Confiança da indústria cai 39,3 pontos em abril

A Fundação Getulio Vargas anunciou que o Índice de Confiança da Indústria (ICI) caiu 39,3 pontos em abril, para 58,2 pontos. Essa é a maior redução mensal do índice e seu menor nível desde o início da série histórica, em janeiro de 2001.


'O resultado da sondagem da indústria de abril expressa os efeitos nocivos da crise causada pela covid-19 sobre o setor. A confiança dos empresários no momento presente, medida pelo ISA, desabou, e o crescimento sem precedentes do pessimismo em relação ao futuro fez com que o IE superasse em mais de 21 pontos seu mínimo anterior. Com exceção do nível dos estoques e da demanda externa, todos os indicadores atingiram o mínimo histórico, inclusive o NUCI. O cenário para os próximos meses pode gerar novas surpresas negativas caso se mantenha o nível de incerteza elevada', comenta Renata de Mello Franco, economista da FGV-IBRE.


Nesse mês, a queda do ICI atingiu todos os 19 segmentos industriais pesquisados, e foi determinada pela piora das avaliações sobre o momento presente e, principalmente, aumento do pessimismo em relação ao futuro. O Índice Expectativas (IE) recuou 46,6 pontos, para 49,6 pontos. Por sua vez, o Índice de Situação Atual teve redução de 31,4 pontos, para 67,4 pontos. Ambos atingiram o menor valor da série histórica.


Pelo segundo mês consecutivo, a maior contribuição para o IE veio da piora das expectativas dos empresários sobre a produção nos próximos três meses. O Indicador de produção prevista despencou 57,5 pontos, para 34,6 pontos, o que representa queda acumulada de 68,0 pontos desde janeiro de 2020. Houve forte crescimento da proporção de empresas prevendo nível de produção menor para os próximos três meses, de 22,5% para 71,6%, e redução da proporção das que preveem nível maior, de 33,3% para 6,6%.


Os indicadores de emprego previsto e tendência dos negócios caíram -40,7 pontos e -39,3 pontos, respectivamente.


Em relação ao momento presente, houve deterioração da avaliação dos empresários para todos os indicadores. A maior contribuição para o ISA veio do recuo de 33,0 pontos (para 64,2 pontos) do indicador que mede o grau de satisfação dos empresários com a situação atual dos negócios. Houve aumento de 21,4% para 59,9% da parcela das empresas que avaliam a situação atual como ruim, e queda de 19,3% para 5,4% da parcela das empresas que a considera boa. Já os indicadores de estoques e de demanda total também apresentaram diminuição, passando de 95,1 pontos para 64,9 pontos e 104,2 pontos para 76,2 pontos, respectivamente.


O Nível de Utilização da Capacidade Instalada (NUCI) retraiu 18,0 pontos percentuais (p.p.), para 57,3%, também a maior queda mensal e o menor valor da série histórica.

Antes de falar em investimentos, vamos falar de alta performance. Nosso maior objetivo é entender as pessoas, processos e tecnologia. Entre em contato com a gente e venha fazer parte do nosso universo.

Instagram

REDES SOCIAIS

Copywrite Hightrading 2017 © Todos os direitos reservados.