China: uma nova economia com velhos hábitos e epidemias – e uma commodity resistente ao coronavírus

O final da Segunda Guerra Mundial, havia duas correntes políticas fortes na China. Os comunistas, liderados por Mao Tsé-Tung, e os nacionalistas, por Chiang Kai-shek.


Embora ambos tivessem apoiado os Aliados durante o conflito, assim que este acabou iniciou-se uma luta fratricida pelo poder, conhecida como Guerra Civil Chinesa.


A União Soviética, como não podia deixar de ser, ficou do lado de Mao. Os Estados Unidos, do generalíssimo Chiang.


Após três anos de combates ferozes, os comunistas expulsaram os nacionalistas. Estes se refugiaram na ilha de Taiwan, que a China classificava como província rebelde, denominação que usa até hoje.

Liderados pelos Estados Unidos, os países da recém-criada ONU não só reconheceram Taiwan como representante de toda a China (inclusive, é claro, a continental comunista) e lhe deram um assento permanente no Conselho de Segurança com poder de veto.


Excluindo-se as relações (nem sempre muito amistosas) com a União Soviética e paternais com a Coreia do Norte, o governo chinês fechou suas fronteiras. Não recebiam turistas e muito menos seus habitantes podiam viajar para fora.


Se havia epidemias na China, o mundo, quando tomava conhecimento, não dava importância justamente porque elas não ultrapassavam os limites do país.


Embora a população tivesse o hábito de, literalmente, comer cobras e lagartos (sem contar morcegos, ratos, escorpiões e cachorros), o isolamento funcionava como barreira sanitária.


Nos últimos dez anos de vida do líder Mao Tsé-Tung (1966 a 1976) o poder passou a ser exercido pela “Camarilha dos Quatro” (ou Gangue dos Quatro), como eram mais conhecidos, da qual fazia parte a última mulher de Mao, Jiang Qing.


Foi a época da Revolução Cultural. Se até então os ocidentais, com seus hábitos “decadentes”, eram rejeitados, passaram a ser demonizados.


Mas algumas mudanças importantes aconteceram:

Em 1971, por pressão da União Soviética, a China Continental foi admitida nas Nações Unidas, com direito a assento permanente no Conselho de Segurança Nacional e poder de veto. Ao mesmo tempo, Taiwan foi expulsa da ONU, estando de fora até hoje.


Como as relações entre Pequim e Moscou andavam tensas, com alguns incidentes graves e reivindicações de fronteira, o presidente Richard Nixon, que assumira em 1969, ensaiou os primeiros passos de uma aproximação.


Em abril de 1971, uma equipe americana de jogadores de tênis de mesa aceitou, com autorização de Washington, um convite para disputar um torneio em Pequim.


Foi o primeiro grupo de cidadãos dos Estados Unidos a visitar a China desde 1949.


Três meses mais tarde, o Assessor de Segurança Nacional de Nixon, Henry Kissinger, fez uma visita secreta a Pequim, sendo recebido por Chou En-Lai, segundo na hierarquia do poder. Sua missão: preparar uma viagem oficial de Richard Nixon à China.


O encontro Nixon/Mao, em 1972, deixou o mundo pasmo.


Em plena Revolução Cultural, americanos e chineses estendiam, ainda timidamente, as mãos, dando início a uma nova era.


Logo após a morte de Mao Tsé-Tung, em 9 de setembro de 1976, a Gangue dos Quatro foi presa e julgada com grande exposição na mídia, coisa raríssima na China.


Com exceção de um deles, que pegou 20 anos, os demais receberam pena de morte, mais tarde comutada em prisão perpétua. Quinze anos depois, a viúva de Mao Tsé-Tung cometeria suicídio em sua cela.


Entre 1976 e 1978, a China entrou em processo de transição. Começaram a surgir as primeiras fábricas de produtos destinados à exportação, o consumo doméstico cresceu. Os guardas vermelhos, brandindo o livro de Mao, desapareceram das ruas.

Surgiu então o verdadeiro revolucionário, Deng Xiaoping, que a História provavelmente irá comparar, em importância como transformador, ao turco Mustafa Kemal Ataturk (1881/1938).


Deng não foi apenas o homem que disse que “não importa se o gato é preto ou branco, desde que mate o rato”. Comercialmente falando, ele escancarou a China para o mundo.


Em 1991, numa viagem que fiz à Flórida, para que minha filha caçula, então com nove anos de idade, conhecesse a Disney, parei num hipermercado Walmart para comprar uma mala.


Fiquei impressionado com a quantidade de produtos chineses: ferramentas, loucas, eletrodomésticos, desentupidores de pia, pias, canos, torneiras e quinquilharias as mais diversas. Tudo vinha da China. Inclusive a mala que adquiri.


Nos 13 anos que antecederam àquela minha compra prosaica, a China cresceu anualmente a taxas que não raro ultrapassaram dois dígitos.


A economia do país continuou se expandindo. Eles se tornaram os maiores exportadores mundiais (2,5 trilhões de dólares em 2018), o segundo maior importador (2,1 trilhões no mesmo ano) e acumularam reservas cambiais de mais de 3 trilhões de dólares.


Só que alguns costumes não mudaram, entre eles o hábito de comer bichos exóticos, peçonhentos, repelentes e criados em condições sanitárias as mais precárias.


Fonte: Seu Dinheiro


Antes de falar em investimentos, vamos falar de alta performance. Nosso maior objetivo é entender as pessoas, processos e tecnologia. Entre em contato com a gente e venha fazer parte do nosso universo.

Instagram

REDES SOCIAIS

Copywrite Hightrading 2017 © Todos os direitos reservados.