Balanços de grandes empresas nos Estados Unidos tomam atenção dos investidores.

Hoje, terça-feira é um dia de agenda cheia para os investidores. No Brasil, expectativas para a divulgação do Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br) de maio (9h), considerado a prévia do PIB do BC. Lá fora, o destaque é o começo da temporada de balanços corporativos nos Estados Unidos.


Mais cedo os investidores receberam sem entusiasmo diversos indicadores europeus que vieram abaixo do esperado. Na China, os números surpreendentes das importações e exportações de junho não foram suficientes para apagar as preocupações com o coronavírus, que segue sendo o maior fator de cautela nos mercados. A decisão do estado da Califórnia em fechar novamente bares e restaurantes levantam dúvidas de como realmente deve se dar a retomada econômica nos Estados Unidos e no Mundo.


Sobre segunda onda, nas últimas semanas, a preocupação com uma segunda onda do coronavírus tem pesado nos mercados. O receio sempre foi de que com o avanço acelerado da doença na principal potência econômica do mundo, os estados retroagissem em suas medidas de isolamento social.

Em um momento em que os Estados Unidos batem recordes diários de novos casos, e os investidores já se encontravam cautelosos com a situação, o estado da Califórnia decidiu fechar locais de ambientes fechados como restaurantes, vinícolas, cinemas, zoológicos, museus e bares. Em algumas regiões, salões de beleza e academias também terão que fechar as portas.


Uma segunda onda forte no país e a necessidade de novas medidas de isolamento pode provocar um impacto negativo na curva da retomada da atividade econômica - tanto nos EUA como no resto do mundo.

Assim, as notícias que chegaram da Califórnia minaram os ânimos dos investidores globalmente, com as bolsas fechando próximas das mínimas.

O Ibovespa perdeu o patamar dos 100 mil pontos e fechou o dia em queda de 1,33% e as ishares fecharam em uma queda de 2,57% O dólar terminou em alta de 1,25%, a R$ 5,3885 no a vista.

Durante a madrugada, nem mesmo novos números positivos das exportações e importações chinesas animaram os investidores e as bolsas do continente acabaram fechando em queda.

Os números surpreenderam de forma positiva. As exportações avançaram 0,5% em junho, ante queda de 3,3% em maio. A expectativa era de queda de 4,3%. Já as importações cresceram 2,7%, após tombo de 16,7% em maio. A previsão era de queda de 10%.

Na Europa, as bolsas também refletem o temor com a situação do coronavírus nos Estados Unidos e operam em queda nesta manhã após a divulgação de novos dados econômicos na região.


Na zona do euro, a produção industrial subiu 12,4% de abril para maio, ante expectativa de 13,2%. No Reino Unido a alta foi de 6%, com projeção de alta de 7,5%. O PIB britânico também decepcionou, mesmo após a recuperação de 1,8% em maio. A expectativa era de uma aceleração de 5,5%.

No entanto, nos Estados Unidos os índices futuros operam em leve alta nesta manhã. Por lá, os investidores aguardam os primeiros balanços trimestrais, com destaque para os grandes bancos. Fique de olho em: JPMorgan, Delta Airlines, Citigroup e Wells Fargo.


Na agenda de hoje no Brasil o destaque fica com a divulgação do Índice de Atividade Econômica do Banco Central (IBC-Br) de maio (9h).



Antes de falar em investimentos, vamos falar de alta performance. Nosso maior objetivo é entender as pessoas, processos e tecnologia. Entre em contato com a gente e venha fazer parte do nosso universo.

Instagram

REDES SOCIAIS

Copywrite Hightrading 2017 © Todos os direitos reservados.